Templo de barro

15 mar


No Dia Nacional da Poesia, uma homenagem a um poeta cosmogônico da imagem, Francisco Brennand

 

Sonho é grão de areia,
A estrada cheia de pedras,
Maiores e menores grãos de areia.

Terra, poeira, chuva, barro,
As coisas se misturam.

Caminho com prazer,
Tiro os sapatos,
Experimento areia, pedra, barro.

Quero chegar, mas sou caminho.
Vou chegar, devagarinho.
Chegar com as mãos abertas,
Sinal de amor, respeito por isso tudo.

Do barro viemos,
Ao barro me lanço.
Sou parte, pó, pedaço, escultura, cangaço, franco.

Sou barro, tijolo, telha, caco, cerâmica, obra.

Acha o barro, pega o barro, acolhe o barro, aperta o barro, molda o barro.
Eis o templo.

Barro, templo, tempo.

Share

Deixe seu comentário


três × = 3


Translate »