Para Sempre Amor Adélia Prado

28 jan

Wagner Merije_Adélia Prado_Sarau do Memorial_270113

 

 

 

 

 

 

 

 

Ah Adélia, sua poesia e pessoa fazem tão bem para nossa alma!

“O transe poético é o experimento de uma realidade anterior a você. Ela te observa e te ama. Isto é sagrado. É de Deus. É seu próprio olhar pondo nas coisas uma claridade inefável. Tentar dizê-la é o labor do poeta.” (Adélia Prado)

Veja fotos da apresentação da Adélia Prado

AMOR FEINHO
Eu quero amor feinho.
Amor feinho não olha um pro outro.
Uma vez encontrado, é igual fé,
não teologa mais.
Duro de forte, o amor feinho é magro, doido por sexo
e filhos tem os quantos haja.
Tudo que não fala, faz.
Planta beijo de três cores ao redor da casa
e saudade roxa e branca,
da comum e da dobrada.
Amor feinho é bom porque não fica velho.
Cuida do essencial; o que brilha nos olhos é o que é:
eu sou homem você é mulher.
Amor feinho não tem ilusão,
o que ele tem é esperança:
eu quero amor feinho.”
(Adélia Prado)

Share

Comentários (4)

  1. claudia ferraz disse:

    que belezura esse encontro, eterno respeito e admiração por adelia prado. e que delícia reler amor feinho, aquele que é bom porque não fica velho e nem tem ilusão, só esperança.

  2. Luciana Tonelli disse:

    Sim, Roberta! Bela foto, registro de um belo encontro!

  3. Luciana Tonelli disse:

    Que belo encontro!

  4. roberta disse:

    A foto, por si só, já revela uma poesia e beleza indescritível!!!!

Deixe seu comentário


× um = 5


Translate »