Carranka – uma homenagem a Marku Ribas

08 abr

Carranka, barrankeiro, kurumim, aristoporindé, querubim de zambi, karijó, guerreiro de daomé, samba regué, valente maku…

Estava aqui lembrando das nossas viagens – tantas: em casa, estudando maneiras de levar seu som para mais gente; nas conversas descontraídas, viajando nos sonhos emfumaçados; nas estradas, viajando para ir encontrar novos amigos pelo Brasil; nas lembranças de suas viagens pela Paris, pelo Caribe, pela África, por aí…

Quanta coisa conquistamos enquanto trabalhamos juntos: seis CDs, um DVD, quatro filmes, muitos shows e outras cositas más! Também compomos, gravamos e fizemos shows juntos! Quanto aprendizado, troca!

Caramigo, você ganhou o papel no clipe do Mick Jagger na pura malandragem, ali na hora do teste, no Rio de Janeiro, se lembra? Você gravou com os Rolling Stones em Paris, isso não é para qualquer um não! Você participou do filme “Quatre Nuit D’une Revêur”, de Robert Bresson, c’est fantastic!

Zamba Ben, vai, arrepia essa galera! Você compôs tão incríveis canções, que provocavam turbilhão de emoções! E por isso, sua múltipla e rica música ecoa para o infinito!

Dança criolo, que esse corpo é mais que seu, é do mundo, é elástico dos bons, é personagem de tramas, é tamarreira!

Carranka, você também foi pesquisador, pensador, poeta, polemizador, amador, um super tudo!

Caramigo, vai em paz!

Você fez coisas incríveis! Você veio, fez, venceu e pode ir certo de que deixou inúmeros admiradores!

Agora, Chega de Saudade.

Nossa música vai tocar para sempre

Foto: Roberta Scatolini

Foto: Merije

Foto: Merije

Foto: Merije

Foto: Merije

Foto: Merije

Share

Deixe seu comentário


nove − = 3


Translate »